I Taça InterCLubes 2016 Vencedor PDF Imprimir e-mail


João Paulo Videira vence

1ª edição da Taça InterClubes

O atirador brigantino João Paulo Videira venceu a 1ª edição da Taça Interclubes, que se disputou no passado domingo, 11 de Setembro, nas instalações desportivas do Clube de Caça e Pesca de Bragança, fazendo um pleno (25-25) na terceira e decisiva pranchada.

A Taça InterClubes nasceu por proposta do CCP de Bragança, numa decisão unânime dos 11 clubes que disputaram a edição 2016 do Circuito InterClubes – uma maratona de tiros aos pratos que vai na XIV edição, que envolve clubes transmontanos e minhotos desde Março a Julho e acolhe, por torneio, mais de uma centena de atiradores. Uma competição que ganhou raízes e é comentada de Norte a Sul do país nos meandros do tiro desportivo com armas de caça.

O formato da Taça InterClubes assenta num dia de prova, com a participação restrita aos atiradores que tenham participado, no mínimo, em seis provas do Circuito InterClubes, o tal campeonato anual, onde a regularidade acaba por separar o trigo do joio. No ano em curso, ou seja, em 2016, estariam habilitados a disputar a 1ª edição da Taça Interclubes uma centena de atiradores.

No passado domingo, dia 11 de Setembro, estiveram 55 atiradores em Bragança para a disputa do troféu, uma taça que prestigia o esforço de anos de dedicação de vários clubes ao tiro desportivo.

Disputada a 75 pratos e apenas com uma prancha (campo de tiro, entenda-se) disponível, obrigou a organização a um critério de selecção até à final, no sentido de ser cumprida com fluidez e dentro de um horário tido como razoável.

Assim, todos os atiradores inscritos fizeram a primeira pranchada – 25 pratos -, dos quais os melhores 24 passavam à fase seguinte. Registando-se um empate para o 24º lugar, todos os atiradores “ex aequo” ganhavam o direito a estar presente na segunda ronda. Dado o critério, foram apurados 30 atiradores, divididos por cinco pranchadas.

Após a conclusão das duas séries (50 pratos), tendo sido a segunda já disputada com pratos flash (quando partidos ficam em pó), foram então apurados os seis melhores atiradores para a final, a mais 25 pratos. Nesta fase, procedeu-se a desempate – shot off (eliminação após prato falhado) – para apuramento do sexto finalista. O clube anfitrião colocou dois atiradores na final.

Os resultados são cumulativos ao longo das três séries – 75 pratos.

O triunfo de João Paulo Videira na 1ª edição da Taça InterClubes atribui ao CCP de Bragança a organização da 2ª edição do troféu, de acordo com o regulamento da prova – “cabe ao clube do atleta vencedor da prova a organização da mesma no ano seguinte.”

O vencedor recebeu uma réplica da taça em disputa, sendo o seu nome inscrito na mesma. A Taça InterClubes só será entregue ao atirador que a vença por três vezes consecutivas ou cinco intercaladas, sendo enriquecida anualmente com uma libra.

Todos os atiradores foram brindados com uma lembrança alusiva ao evento e receberam também um CD com fotos personalizadas da sua presença.

Na cerimónia de encerramento e entrega de lembranças e do troféu, esteve presente o presidente da Câmara Municipal de Bragança, Hernâni Dias, o qual agradeceu, em nome da autarquia, a “presença de todos no clube e na cidade”.

A Taça InterClubes coloca um ponto final na época desportiva 2016, por sinal de glória para o Clube de Caça e Pesca de Bragança. A equipa de Bragança venceu, colectivamente, a edição anual do Circuito Interclubes e, individualmente, Antero Ferreira somou mais um triunfo. Com um honroso oitavo lugar no Campeonato Nacional de Trap 5 e após ter vencido o Torneio das Festas da Cidade, João Paulo Videira, o actual presidente da Direcção, ao vencer esta primeira edição da Taça InterClubes, fechou com chave de ouro o percurso dos atiradores da capital do Nordeste Transmontano.

A.P.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >